quinta-feira, 25 de junho de 2020

Coração Eucarístico de Jesus

Na quinta-feira, após a Solenidade do Coração de Jesus na comunidade Redentorista é celebrada a memória do Coração Eucarístico de Jesus. Nos livros de oração Redentorista, existem textos litúrgicos especiais para esta memória.

Origem

A devoção ao Coração Eucarístico de Jesus remonta a meados do século XIX. Infelizmente, foi esquecido com o tempo, e hoje apenas alguns Institutos preservaram a memória dessa solenidade.  O Papa Pio XII, na encíclica Haurietis aquas de 15 de maio de 1956, escreve que "seria difícil entender o poder desse amor, que faz de Cristo se tornar nosso alimento espiritual, se não cultivássemos de maneira especial a adoração do Coração Eucarístico de Jesus".
Este culto não é diferente do culto que a Igreja faz ao Sagrado Coração de Jesus. De maneira especial, porém, ele confessa respeito, amor e ação de graças ao símbolo do mais alto amor pelo qual Jesus instituiu a Eucaristia para ficar para sempre conosco.

O Papa Bento XV aprovou o memorial litúrgico do Coração Eucarístico de Jesus em 1921. Deve-se enfatizar que a devoção ao Coração de Jesus não se baseia nos benefícios que dele podem advir, mas em um convite para aprofundar o mistério do amor de Cristo. É um culto no sentido puro da palavra, ou seja, focando em Deus, amando o Amor que se deu a nós. Vamos pensar  como São Paulo:"Assim tereis condições para compreender com todos os santos qual é a largura e o comprimento e a altura e a profundidade, e conhecer o amor de Cristo que excede todo conhecimento, para que sejais plenificados com toda a plenitude de Deus. (Ef 3, 18-19)

Amor ao Coração Eucarístico de Jesus na Tradição Redentorista

A memória ao Coração Eucarístico de Jesus é muito apreciada e querida na tradição Redentorista.Ela não se opõe a uma devoção ao coração de Jesus. É um aspecto especial da grande devoção ao Coração de Jesus, glorificado no ato de estabelecer a Eucaristia e o Sacerdócio na Última Ceia.
O padre Michele Mazzei (1878-1954), superior da província redentorista de Nápoles em 1930-1933 e depois conselheiro geral da Congregação, gostava de repetir: "A devoção ao coração de Jesus por nós redentoristas é uma forma de devoção ao Coração Eucarístico de Jesus".
Antes, o padre Mathias Raus (1829-1917), Superior Geral dos Redentoristas (1894-1909) foi o primeiro diretor geral da Irmandade do Coração Eucarístico, confiado aos Redentoristas pelo Papa Leão XIII ", porque era devido aos filhos de Santo Afonso, o grande apóstolo da adoração do Coração de Jesus. " Numa carta circular de 6 de janeiro de 1906, dirigida a todos os membros da Congregação, Padre Raus, depois de relembrar a história e a teologia dessa devoção e guiada pelos sentimentos de Santo. Afonso recomendou: "Em sermões ou confissões, em casa ou fora, lembremos sempre aos fieis da devoção ao Coração Eucarístico."
Isso foi especialmente apreciado por outro Superior Geral da Congregação, Padre Juan Lasso de la Vega, que, em resposta a um convite dirigido a ele por Padre Ermelindo Masone, se expressou assim: "No espírito de associações reconhecidas pela Igreja em sua legislação, a ênfase está no Coração Eucarístico de Jesus, cujo propósito específico, além daqueles comuns a outras associações, é o culto ao Coração Eucarístico de Jesus através do ato de estabelecer o sacramento da Eucaristia. Os fieis pertencentes a ele adoram, amam e agradecem a Jesus pelo sinal de seu infinito amor que ele nos deu durante a Última Ceia. "


Ato de consagração ao Sagrado Coração de Jesus

O Livro de Oração Redentorista contém um ato de Consagração ao Sagrado Coração de Jesus, que é dito durante as orações noturnas na primeira sexta-feira do mês e os principais feriados do ano, de acordo com a carta circular do General Patryk Murray CSsR de 6 de janeiro de 1937.


Senhor Jesus Cristo, o Todo Poderoso e Palavra Eterna do Pai, Redentor do mundo, Seu Sagrado Coração arde em nossa direção com amor infinito e mais terno. Aqui nós, os membros dessa comunidade, (desta casa) e a Congregação do Santíssimo Redentor, estamos humildemente  diante de vós. Louvamos Vossa majestade incomensurável, Vossa infinita bondade e, acima de tudo,  vos agradecemos por todos os benefícios que nos concedeis em Vosso amor mais terno. Obrigado pelo amor que Vosso Sagrado Coração nos mostrou em Sua paixão, na Eucaristia e em nos chamar para continuarmos Seu trabalho de Redenção. Obrigado por nos chamar para morar com vós neste palácio eucarístico real e por nunca deixar de nos cercar com evidências de vossa bondade e amor divino.
Amado Senhor, lamentamos de todo o coração por todos os pecados que, ingratos, ofenderam ao vosso Sagrado Coração que nos amou tanto. Lamentamos profundamente que o coração amado também sofra muitos insultos de outras pessoas. Gostaríamos, juntamente com nosso santo pai Santo Afonso, com nossas lágrimas, sim, mesmo com nosso próprio sangue, de lavar aqueles lugares infelizes em que Seu Sagrado Coração sofre tantos insultos.
Agora, como compensação pelos nossos pecados e pelo mundo inteiro, a nós mesmos, a nossa comunidade e toda  a nossa atividade apostólica,nos dedicamos ao Seu Sagrado Coração e decidimos fortemente  que, com a Vossa graça, com toda a nossa força, conduziremos todos ao Vosso Sagrado Coração e  a virgem Maria, sua e nossa Mãe. A partir de agora, por amor ao vosso Sagrado Coração, sempre queremos amar-vos e cumprir fielmente a vossa santa vontade, por vossa maior glória e salvação das almas mais abandonadas. Amém.


Padre Piotr Sułkowski, C.Ss.R., Roma 






quinta-feira, 18 de junho de 2020

Quarto ano da Beatificação de nossa fundadora





Nesse dia em que recordamos o quarto ano da Celebração de Beatificação de nossa fundadora a Beata Maria Celeste Crostarosa, gostaríamos de convidar os senhores e as senhoras para rezarmos juntos sua ladainha, pedindo sua poderosa intercessão em nosso favor, rezemos com fé:









Ladainha a Maria Celeste Crostarosa

Kyrie Eleison.
Cristo eleison.
Kyrie Eleison.
 
Cristo, ouvi-nos.
Cristo, atendei-nos.

Deus Pai do Céu, tende piedade de nós.
Deus Filho Redentor do mundo, tende piedade de nós.
Espírito Santo paráclito, tende piedade de nós.
Santíssima Trindade, que sois um só Deus, tende piedade de nós.
Santa Maria, Mãe do Santíssimo Redentor, rogai por nós.
Santa Maria, Mãe do Perpetuo socorro...

Beata Maria Celeste, rogai por nós, rogai por nós
Beata Maria Celeste, filha amada do Pai Eterno ...
Beata Maria Celeste, noiva de Cristo Redentor ...
Beata Maria Celeste, o jardim espiritual de frutos maduros do Espírito Santo ...

Beata Maria Celeste, apaixonada pelos planos sagrados do Pai, rogai por nós
Beata Maria Celeste, que amou o Cristo crucificado ...
Beata Maria Celeste, inflamada com o calor do Espírito Santo ...

Beata Maria Celeste, como Maria recebeu a pregação a Boa Nova de Deus, rogai por nós
Beata Maria Celeste, contemplando Cristo com Maria na simplicidade de Nazaré ...
Beata Maria Celeste, com Maria abraçando a Cruz em os seus sofrimentos ...
Beata Maria Celeste, com Maria, cuidando da Igreja, o Corpo Místico de Cristo ...
Beata Maria Celeste, curando seus membros feridos com amor e oração ...

Beata Maria Celeste, ouvidora da Palavra de Deus, rogai por nós
Beata Maria Celeste, persistente na leitura da vontade de Deus ...
Beata Maria Celeste, modelo de contemplação alegre ...
Beata Maria Celeste, guia nos caminhos da oração ...
Beata Maria Celeste, mestra da vida de amor mútuo ...
Beata Maria Celeste, serva dedicada e corajosa do plano de Deus ...
Beata Maria Celeste, cativada pela dignidade do filho de Deus e noiva da Palavra ...

Beata Maria Celeste, brilhando com o puro amor de Cristo, rogai por nós
Beata Maria Celeste, obediente à sua  santa vontade...
Beata Maria Celeste,  que  viveu a alegre pobreza por amor a Deus ...

Beata Maria Celeste, desfrutadora da presença de Cristo como pão diário, rogai por nós
Beata Maria Celeste, aquela que foi feliz com seu amor sem limites ...
Beata Maria Celeste, residente no coração aberto do Senhor ...
Beata Maria Celeste, conformadora dos seus desejos aos do Redentor ...
Beata Maria Celeste, Memória viva do amor misericordioso de Deus por todos os homens ...
Beata Maria Celeste, evangelho vivo, irradiando da ternura de Deus ...
Beata Maria Celeste, viveu da Eucaristia em uma vida de silencio, amor e humildade...
Beata Maria Celeste, adorando o Senhor ressuscitado no Santíssimo Sacramento ...

Beata Maria Celeste, encantada com a beleza da criação, rogai por nós
Beata Maria Celeste, fiel à consciência em meio às adversidades ...
Beata Maria Celeste, confiando no Senhor nas trevas das noites escuras...
Beata Maria Celeste, vivendo para a glória de Deus e salvando irmãos ...
Beata Maria Celeste, orando fervorosamente pela Igreja e seus pastores ...
Beata Maria Celeste, buscando na oração os remidos pelo Sangue de Cristo ...
Beata Maria Celeste, salvando a penitência dos perdidos ...

Beata Maria Celeste, Mãe e Fundadora da Ordem do Santo Redentor, rogai por nós
Beata Maria Celeste, fundadora da família Redentorista...
Beata Maria Celeste, Irmã e Amiga dos Missionários Redentoristas ...
Beata Maria Celeste, nosso Patrona celestial ...
P. Rogai por nós Beata Maria Celeste Crostarosa.
R.. Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

Oremos
Deus, que no Espírito de amor conduziu a Beata Maria Celeste Crostarosa, transformando-a com o poder das palavras de seu Divino Filho, em uma Memória viva de vosso amor misericordioso, por sua poderosa intercessão e seu exemplo de vida, nos conceda a graça de sermos testemunhas do mistério da Redenção. Por nosso Senhor Jesus Cristo vosso Filho que convosco vive e reina para sempre. Amém.







sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020

Exercícios Quaresmais


“Hosana ao Filho de Davi, bendito o que vem em nome do Senhor”(Mt 21,9)

Venha ao meu amor e no seguimento glorioso veja como estou satisfeito em operar em vós nesse dia. Desejo entrar em sua alma: como na minha entrada em Jerusalém, no mais glorioso triunfo da minha humildade, como um rei pacifico, em um passeio de jumentinho; que acidentalmente sob o pão Eucarístico cavalgou sob a tua fé.
 Eu venho a vós em paz.
E vós, as portas disso, colocando vossa roupa no chão, isto é, suas paixões e sentidos, preparará o caminho para mim; cortarás novamente os ramos do amanhecer, que são os teus movimentos dirigidos para a minha glória. E assim eu gloriosamente entro na cidade mística de Jerusalém, onde ouvirei vossa voz junto com os lamacentos daquela cidade, cheios de alegria e consolação que me cantarão: “Hosana ao filho de DaviBendito o que vem em nome do senhor! ”.
Minha amada alma, entrarei gloriosamente em vossa cidade, para habitar lá até que eu tenha consumado o sacrifício e o holocausto ao Pai na cruz. Vós vereis como a glória e o jubilo se converterão em injúrias, a honra em desonra e opróbrio; e como o meu espírito padece de violência por amor e desejo de  alimentar com a minha vida e o meu sangue em expiação pelos homens; e junto com esse “Hosana ao filho de Davi”, parece que ouvir outras vozes que diziam: "Tolle, tolle, crucifige eum!"[1]
Lá vós aprendereis como toda a glória de minhas almas esposas residem na crucificação, na dissonância, nas impurezas, porque é adequado que os aplausos mundanos em seus ouvidos soem, como se estivessem dizendo para vós: "Tolle, tolle, crucifige eam!"
Prepara-me, minha amada, em vosso coração o calvário, quase um trono, onde coroada de glória por meu Pai, vós me vereis: Lá descobrirá grandes tesouros. E saiba que o sofrimento é a verdadeira alegria de uma alma cristã, até que tenha consumado o sacrifício de si mesma ao meu Pai; na união de minhas dores, com a própria morte, uma verdadeira e gloriosa ressurreição de uma nova vida no amor.
Esteja pronta para receber em sua alma, nesta Quaresma, o exercício de todas as obras que eu fiz em minha paixão, para que o valor do sofrimento e a glória oculta nelas esteja em vós; e estas não serão dolorosas, mas misticamente gloriosos.


[1] Fora, fora, crucifica-o!

quinta-feira, 25 de julho de 2019

OS CAMINHOS DA DIVINA PROVIDÊNCIA



Em 1719 os RR. PP. Maurício Filangieri, Superior Geral da Congregação dos Pios Operários, e Thomás Falcoia, pregaram em Scala os exercícios da santa Missão.
Desejando assegurar aos habitantes da cidade uma nova fonte de graças, resolveram fundar um mosteiro. Poucos anos antes o Padre Falcoia estivera em Roma, e um dia achando-se às margens do Tibre, foi subitamente arrebatado em Deus e viu desenrolar-se diante de seu espirito o plano de fundação de uma família religiosa. Seus membros tanto homens como mulheres, teriam por fim especial a “Imitação explícita do Homem Deus, ora sepultando-se na vida oculta, ora, indo como o Salvador evangelizar as povoações mais abandonadas”(Sportelli: Memória dei principii al Instituto).
Um caridoso sacerdote de Scala, Dom Lorenzo Della Mura, tinha legado sua fortuna e casa ao venerando Cabido da Catedral, por testamento datado de 1° de outubro de 1633, com o fim de ali estabelecer-se um recolhimento, onde jovens e viúvas pudessem levar vida piedosa e retirada, sem fazerem votos de religião nem estarem sujeitas à clausura. Após uma prosperidade passageira, a obra estava quase extinta em 1720.
Nesse ano de 1720, o Cabido e a cidade cederam ao R. Pe. Filangieri todos os direitos sobre o recolhimento, com a condição de transformá-lo e elevá-lo à dignidade de mosteiro com clausura, sob a regra de Santo Agostinho e as Constituições de São Francisco de Sales.
A capela do recolhimento era dedicada à Imaculada Conceição e estava graciosamente ornada; a casa, porém, estava em completa ruina. Concertá-la e adaptá-la para o novo destino foi o primeiro cuidado do fundador.
Terminado o edifício material, procuraram as pedras fundamentais para o espiritual.
As almas escolhidas por Deus foram: Matilde e Teresa de Vito, que receberam os nomes de Sorores Maria Rafael e Maria Angela. Angélica Bellini, o de Sôr Maria Serafiana. Grazia Bellini, o de Sôr Maria Miguel.
Catarina Schisano, contava mais de 50 anos e passará vários anos em um dos sete carmelos fundados pela venerável Serafina de Capri, era uma espécie de terciária; por este duplo motivo foi designada como Superiora da nova comunidade, com o nome de Sôr Maria José da Cruz.
Os outros membros da comunidade foram:
Helena Montes que se tornou Sôr Maria Arcângela;
Francisca Montes se tornou Sôr Maria Emanuel
Justina Natale se tornou Sôr Maria Catarina
Ana Natale se tornou Sôr Maria Querubina
Úrsula Galdo se tornou Sôr Maria Gabriel
Ângela Galdo se tornou Sôr Maria Teresa.

Foram 12 as escolhidas, ignorando-se o nome da última.
Na terça feira de pentecostes, 21 de maio de 1720 foi inaugurado o Mosteiro.
O clero de Scala, tendo à frente os 24 cônegos do Cabido, veio acolher as postulantes na praça da Igreja.
Acompanhavam-nas as nobres Damas da cidade, os dois Fundadores e uma multidão enorme de povo.
Entravam na Catedral ao canto do hino “Jesus Corona Virginum”.
O Bispo ao pé da altar-mor, procedeu solenemente à cerimonia da vestição; o Padre Falcoia tomando por texto o Introito da Missa do dia: “Accipite jucunditatem gloriae vestra” pronunciou eloquente sermão.
Terminada a cerimônia, as 12 virgens revestidas do hábito da visitação, dirigiram-se processionalmente ao Convento. O Bispo, levando o SS. Sacramento fechava o cortejo. Nos ares ressoavam os sons festivos dos sinos, as salvas de artilharia e os jubilosos cânticos da multidão.
Chegando a capela o Sr. Bispo deu a benção e encerrou a Sagrada Partícula no Tabernáculo. Entraram as irmãs na Clausura e estava fundado o mosteiro. Sob a firme direção do Padre Fálcoia corriam a grandes passos no caminho da perfeição.
Dezoito meses mais tarde fizeram os votos de religião, nas mãos do Padre Falcoia, delegado do bispo D. Guerriero.
A reputação de santidade da comunidade nascente atraiu muitas vocações e o número dos seus membros elevou-se rapidamente a 33. Algumas Educandas haviam entrado com as Fundadoras.
No entanto, um secreto sofrimento atormentava aquelas religiosas. Em vão haviam solicitado, da Visitação de Nápoles, juntamente com a filiação à Ordem, uma Filha de Santa Chantal para formá-las.
Um exemplar da Regra e Constituições foi tudo o que obtiveram. Compreendiam que não eram verdadeiramente Visitandinas, pois não gozavam da clausura papal, dos votos solenes, nem dos privilégios da Ordem.
Era, todavia, esta situação providencial, Deus não queria uma nova Casa de Visitandinas, mas o despontar de uma nova Ordem que Ele daria à sua Igreja. Por isso reservava a liberdade canônica necessária para estabelecê-la.

sábado, 20 de abril de 2019

Horário da Comunidade


O horário de nossa comunidade:
5h45- Oração das Laudes

6h30- Meditação

07h- Santa missa

08h30- Hora média

11h25- Hora sexta

12h- Almoço

14h- Noa e terço

17h25- Véspera e Oficio de Leituras

18h30- Meditação

19h- jantar

19h30- Completas

20h- Recreio comunitário

21h- Grande Silêncio